agriFM

Selecione uma foto do seu computador ou arraste-a aqui. Tamanho recomendado 500px x 500px

Editar Canal



Thumb
Faça upload da imagem do seu podcast. Tamanho recomendado de 500 por 500 pixels.


nutriNews Brasil

Canal nutriNews Brasil

Seguir Seguir

Utilização de coprodutos de destilarias de etanol de milho na alimentação de suínos

O milho é um dos cereais que pode ser utilizado para a fabricação de etanol, produzido por moagem a seco ou úmida, e ainda pode proporcionar os grãos de destilaria com solúveis (DDGS), que vem se tornando um coproduto global e atrativo para a produção animal. É considerado um excelente alimento para os suínos, devido à sua composição química e valores energéticos. A moagem a seco é o método mais utilizado, pois requer menos capital para construção das plantas de processamento. Os grãos são moídos, umedecidos e cozidos, e após passam por fermentação e são então destilados, dando origem ao etanol e ao resíduo sólido. A fração sólida, após a secagem, origina o farelo denominado DDGS que pode ser utilizado na alimentação animal. O óleo permanece em seu estado bruto/degomado e é comercializado na indústria de refino, as quais produzem o óleo de milho. O DDGS contém todos os nutrientes do grão de cereal que lhe deu origem (milho, trigo, sorgo, cevada e centeio) em uma forma mais concentrada, exceto o amido, por ser utilizado no processo de fermentação (Santos et al. 2019). Contudo, caracteriza-se como um ingrediente alternativo para a dieta de suínos, visto que os gastos com a alimentação dos suínos na fase de crescimento e terminação colaboram com aproximadamente 60 a 80% dos custos totais de produção e estão diretamente relacionados com o rendimento financeiro da atividade suinícola. No entanto, nas dietas de suínos na fase de terminação, formuladas à base de milho e farelo de soja, o DDGS de milho pode ser utilizado como um ingrediente substituto parcial, pois apresenta bons valores energéticos e bromatológicos. Para determinar o nível adequado de inclusão de DDGS de milho nas rações para suínos, deve-se levar em consideração as respostas zootécnicas e as características quantitativas e qualitativas das carcaças. Dessa forma, foi desenvolvida uma pesquisa no Setor de Suinocultura da Universidade Estadual de Maringá (UEM), com o objetivo de avaliar o uso de DDGS de milho na alimentação de suínos em terminação. Os animais foram divididos em grupos e alimentados com níveis crescentes de até 30% de inclusão de DDGS na ração. A composição química e a energia metabolizável foram previamente determinadas para formular as rações utilizadas no experimento de desempenho.

Relacionados com Suínocultura

6
2
44

Compartilhar este podcast

Facebook Twitter LinkedIn Email
Portugués
POR
Avatar
Criar a minha conta