agriFM

Selecione uma foto do seu computador ou arraste-a aqui. Tamanho recomendado 500px x 500px

Editar Canal



Thumb
Faça upload da imagem do seu podcast. Tamanho recomendado de 500 por 500 pixels.


SuínoProsa

Canal SuínoProsa

Seguir Seguir

Projeções ABPA para as novas áreas classificadas como livre de febre aftosa

  • A Febre Aftosa, também conhecida por “Foot and Mouth Disease”, é uma enfermidade causada por um vírus, de elevado grau de contágio e acomete naturalmente animais biungulados domésticos e selvagens como: bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos.
  • A Febre Aftosa tem grande importância social e econômica, e seu impacto prejudica produtores, empresários e famílias rurais. Causa grandes perdas econômicas, havendo prejuízos, com a redução da produtividade dos rebanhos, que podem se tornar expressivos.
  • No contexto de comércio, há uma implicação muito importante relacionada à imagem dos países no mercado, quando ocorrem focos da doença. Mesmo que os países importadores acatem as estritas regras referenciadas internacionalmente, podem reagir negativamente, fechando suas fronteiras, total ou parcialmente, e os impactos para o exportador podem ser significativos, mesmo quando se consegue comprovar que o problema está sob controle em seu território. Também onera custos públicos e privados, pelos investimentos necessários para sua prevenção, controle e erradicação.
  • A OIE (Organização Mundial de Saúde Animal) classifica doenças animais, baseado na significância relativa sócio econômica ou de saúde pública. Segundo o OIE, a febre aftosa é uma doença pertencente à lista A, ou seja, é uma doença transmissível possuindo um potencial de difusão muito sério e muito rápido, independente das fronteiras nacionais, trazendo consequências sócio econômicas graves, de maior importância no comércio internacional de animais e produtos de origem animal. Por isto, esta doença tem, por parte das organismos internacionais e governos, prioridade de exclusão, pois sua presença dita o fechamento das exportações.
  • E em 27 de maio de 2021, os estados  do Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e do Mato Grosso, receberam a certificação da OIE como zonas livres de febre aftosa sem vacinação.
  • E hoje o nosso convidado especial é o Presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, apresentará as projeções para o mercado nacional de carne suína com essa nova conquista, que é um marco para a todos os profissionais envolvidos na cadeia produtiva de carnes, em especial os auditores fiscais federais agropecuários (AFFAs), os fiscais agropecuários executores desse trabalho em cada estado, e ainda os médicos veterinários estaduais, todos comprometidos com o Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA).
  • Caso queira acompanhar a entrevista em vídeo, clique AQUI

Relacionados com Suínocultura

3
1
1

Compartilhar este podcast

Facebook Twitter LinkedIn Email
Avatar
Criar a minha conta