agriFM

Selecciona una foto desde tu ordenador o arrastrala aqui. Tamaño recomendado 500px x 500px

Editar Canal


www.vetanco.com">
Thumb
Sube la imagen de tu podcast.Tamaño recomendado 500px por 500px.


aviNews Brasil

Canal aviNews Brasil

Seguir Seguir

Escherichia coli Patogênica para Aves (APEC): O diagnóstico molecular como estratégia de monitoramento e controle

Nesse artigo entenderemos mais sobre a Escherichia coli patogênica para aves (APEC), como realizar seu diagnóstico e controle, escrito por Jorge Augusto Petroli Marchesi, Vânia Bernardes, Rafaela Berto, Marcelo Frigato Monteiro e Alberto Back. Agora você não precisa mais ler, pode escutá-lo!  Encontrada em todos os ambientes de criação avícola, nas fezes e inclusive no próprio organismo da ave, a Escherichia coli é uma das bactérias mais presentes em granjas comerciais, sejam elas de matrizes, de postura ou de frangos de corte. Já a E. coli patogênica para aves (APEC, do inglês, “Avian Pathogenic E. coli”), pertencente a categoria das E. coli patogênicas extra intestinais (ExPEC), é o agente causador da colibacilose aviária, uma das doenças bacterianas endêmicas mais comuns e que mais causam prejuízos a avicultura. Assim como a E. coli patogênica encontrada em outras espécies, a APEC existe como um componente comensal da microbiota intestinal aviária, mas pode emergir para causar uma variedade de quadros clínicos. De todas as E. coli presentes no trato gastrointestinal das aves, cerca de 85 a 90% não são patogênicas (conhecidas como AFEC, do inglês “Avian Fecal E. coli” ou E. coli Fecal Aviária), enquanto apenas 10 a 15% delas podem ser APEC e possuir características distintas de virulência que possibilitam esse microrganismo contornar as defesas do hospedeiro, se multiplicar e causar danos. Contudo, o uso de terapêuticos, principalmente antibióticos, é um tanto questionável, visto que a maioria deles não são seletivos exclusivamente para as cepas APEC, podendo como consequência gerar um desequilíbrio da microbiota natural da ave, agravar os sinais clínicos e, o mais grave, selecionar cepas resistentes. Neste ponto, em específico, é onde se encontra um dos grandes desafios para a área de sanidade avícola, a correta identificação dos casos de infecção associados ao patotipo APEC.  Se você prefere ler o artigo, é só clicar aqui!!

Relacionados con Aves

144
449
143

Comparte este podcast

Facebook Twitter LinkedIn Email
Portugués
POR
Avatar
Crear mi cuenta